Posts

Curiosidades sobre o fondue, o prato mais lembrado no inverno

Com origem da região fronteira entre a França e a Suíça, o nome fondue vem do termo francês fondre (derreter) ou fundir. Uma das versões sobre a criação desse prato é que teria nascido durante a Segunda Guerra Mundial, quando os camponeses produtores de leite precisaram se alimentar da sua produção de queijo.

Para evitar a exposição ao frio das montanhas e aos perigos dos combates, eles derretiam queijos para fazer um creme, onde mergulhavam pedaços de pão para matar a fome.

Com o passar do tempo, essa arte de espetar o pão mergulhado no queijo derretido ganhou outros elementos e outros sabores, como o fondue de carne, por exemplo, que é frito em óleo quente, ou o popular fondue de chocolate com frutas, servido como sobremesa.

A fama do fondue se espalhou pelo mundo na década de 50, quando um chefe de restaurante em Nova Iorque, especializado em comida suíça, começou a servir o prato. Atualmente, é só esfriar um pouquinho que ele já está na mesa dos brasileiros! Quem mora em Teresópolis, por exemplo, o prato é encontrado facilmente nos restaurantes da cidade, deixando o clima das montanhas ainda mais aconchegante.

Se toda essa história aumentou sua curiosidade de saborear um delicioso fondue, venha até o Recanto do Fondue.
O valor do Rodízio de Fondue, de segunda à quinta, é R$ 59,90 (promoção válida por tempo limitado).

Qual o vinho para o fondue?

O inverno chegou e está na hora de tirar do armário seu aparelho de fondue.

Em um jogo de associação de palavras seria natural a seqüência: inverno –> frio -> vinho -> fondue!

Fondue é mais que um prato, é um verdadeiro ritual e o vinho é parte inseparável deste processo. E se é inimaginável fondue sem vinho, qual então é o vinho ideal?

Antes de prosseguir é bom explicar que esta receita nasceu na Suíça francesa e a palavra “fondue” é feminina (logo é “a” fondue e não “o” fondue”) e significa “fundida” ou “derretida”. A receita mais antiga desta “massa fundida” encontra-se em um livro de cozinha escrito em Zurique em 1699. Existem várias versões da origem da fondue, a mais aceita se situa na Idade Média, cerca de sete séculos atrás, nos Alpes da Suíça, como conseqüência de uma superprodução de queijos. Os produtores para melhor conservarem o queijo à espera de uma nova temporada derreteram “fortificaram” a massa com kirsch (destilado de cerejas), que assim, depois de re-enrijecida pelo frio duraria mais. No meio desta experiência, então inédita, um cidadão que mereceria uma estátua no centro de Genebra se seu nome não tivesse sido injustamente esquecido pela história, espetou um pedaço de pão em haste para provar a poção e… voilà, nasceu o fondue!

Para a fondue original, de queijo, a combinação clássica, que usam na Suíça e na Alemanha, é um vinho branco leve, da uva Chasselas (Suíça) ou da uva Riesling (Alemanha). No Brasil, a preferência é um vinho branco mais encorpado, da uva Chardonnay, por exemplo.

www.tbfoto.com.br

Para a fondue de carne a escolha é sem dúvida um tinto, que deverá ser tão encorpado quanto o tipo de molho que você servir.

fondue-chalezinho-chocolate

Se a fondue é de chocolate, a opção mais garantida é um vinho do Porto do tipo LBV.

Bom apetite!

Referência: Revista Veja Rio
Por: Marcelo Copello – (mcopello@simplesmentevinho.com.br)
Link: http://vejario.abril.com.br/blog/vinoteca/vinho-algo-mais/qual-o-vinho-para-o-fondue

 

Inverno com sabor de Fondue

Poucos pratos combinam tanto com o frio como um bom fondue. Sinônimo de reuniões aconchegantes, a dois ou entre amigos, sua forma de preparação obedece a um autêntico ritual, com o aquecimento ou cozimento de alimentos diretamente sobre a mesa. Para saboreá-lo, basta usar um garfo para “pinçar” queijo, carne, frutas e mergulhá-los nas mais variadas combinações e delícias.

Reza a lenda que o fondue, de origem suíça, teria sido servido pela primeira vez por camponeses, que derreteram sobras de queijo e neles molharam o pão, para que este ficasse macio e mais saboroso. A palavra deriva do francês fondre, que significa derreter. Por isso, a forma de aquecimento é muito importante: usa-se vela, fogareiro ou lamparina.

 

Fonte: Portal Vital